Apple toma medidas drásticas para impedir fugas de informação na China

Paulo Montenegro
Comentar

Dois dos mais populares leakers chineses, conhecidos como Kang e Duan Rui, foram surpresos esta semana com cartas da Apple nas suas respetivas moradas.

Tratavam-se de avisos para que eles parassem de divulgar informações sobre produtos ainda não lançados e que, caso não interrompessem as fugas de informação, poderiam ser processados.

Publicações feitas no Twitter e no Weibo revelaram o ocorrido. As cartas sugerem que informações sobre produtos não lançados podem enganar os consumidores e beneficiar rivais.

Apple sent a lawyer's letter to the leaker in China.

— DuanRui (@duanrui1205) 24 de junho de 2021

Fugas de informação serão encaradas como infração de informação comercial

A maçã trincada exigiu que os leakers também não divulgassem imagens tão pouco fugas de informações através de sonhos ou enigmas, pois estas, ainda assim, seriam vistas como leaks. O próprio Kang já havia publicado diversas vezes datas de lançamentos de produtos nas suas redes sociais.

Kang revelou no seu perfil pessoal no Weibo que a gigante de Cupertino deixou bem claro que não iria tolerar qualquer tipo de leak. Ele alertou outros bloguistas de que a empresa passaria a ver qualquer informação divulgada sobre produtos não lançados como infração e abuso de informação comercial.

Estariam os leaks com os dias contados?

Até o momento, nenhum dos leakers publicou uma cópia digitalizada da carta e todas as informações divulgadas sobre a mesma foram obtidas através de publicações traduzidas.

L0vetodream, Kang e Dan Rui estão entre os leakers mais confiáveis da atualidade e os três foram responsáveis por inúmeras fugas de informação de produtos e serviços da maçã.

Com fontes muito bem protegidas, a maneira que a Apple encontrou de interromper as fugas pode ser considerada um tanto drástica, mas, no final, quando se trata de prejuízos, com certeza a empresa fará tudo no seu poder para evitá-los. Resta saber se as ameaças de processos também vão se estender a outros países.

Editores 4gnews recomendam: