Apple continua a vender mais tablets do que a Samsung e Huawei

Rui Bacelar
É um dos mercados mais "mornos" nos últimos tempos. ©cnet

Já desde meados de 2017 que vemos alguns relatórios de agências de análise de mercado a sugerir um novo status quo para o mercado mobile e para o mercado dos tablets. Com várias fontes a apontarem um declínio na dominância da Samsung em ambos os mercados. Agora, graças aos dados da agência IDC já podemos analisar a performance da Apple, Huawei, Samsung e demais construtoras.

E se o calcanhar de Aquiles da Samsung no mercado mobile foi o segmento de entrada. Segmento onde as fabricantes chinesas apresentam alternativas mais cativantes, o mercado dos tablets não se apresenta muito mais favorável. A Huawei conseguiu aguentar-se bem em 2017 e a Apple lidera o segmento com os seus iPad. Note-se que o nome "iPad" é dado pela Apple aos seus tablets.

Vê ainda: e iPhone X

Segundo o relatório da IDC (International Data Corporation) alusivo ao último trimestre de 2017 a Samsung foi a única das três grandes (Apple, Huawei e Samsung) a registar uma queda. A quebra nas vendas dos seus tablets foi notória, caindo de 8 milhões de unidades vendidas no último trimestre de 2016 para 7 milhões de unidades vendidas no último trimestre de 2017.

Cifra que resultaria numa quebra de 13% de ano para ano sob a ótica trimestral. A quota de mercado d Samsung cairia de 14.9% no último trimestre de 2016 para 14,1% no período homólogo de 2017.

Apple disputa o mercado de tablets com a Samsung, Amazon e Huawei - IDC

Note-se que foi a Amazon com os seus Kindle Fire a registar o maior crescimento com uns impressionantes 50,3% de crescimento trimestral (2017 face a 2016). Nesse último trimestre de 2017 a Amazon ultrapassaria a Huawei e a Samsung, ficando apenas atrás da Apple. A empresa de Cupertino manteve a liderança com uma quota de mercado de 26,8% nesse trimestre. Em seguida podemos ver a tabela de dados fornecida pela IDC

Tabela da IDC com os dados da Apple, Samsung, Huawei, etc

Ao contrário da Samsung cujo modelo de negócios passa por vender os tablets com uma boa margem de lucro a Amazon vende os seus tablets praticamente ao preço de fabrico. Algo que compensa posteriormente com o acesso aos serviços fornecidos pela própria. O resultado é bem visível nos tabelas da IDC.

Mais ainda, ao contrário de uma Apple, Samsung, Huawei e praticamente qualquer outra, a Amazon cortou os preços dos seus tablets durante a Black Friday. Algo que certamente contribuiu para a sua subida no mercado. Nem mesmo as alternativas económicas da Samsung ou da Huawei registariam valores comparáveis.

No relatório completo, a IDC menciona especificamente o fracasso dos tablets económicos da Samsung. Aponta as linhas A e E como únicos concorrentes para aos produtos da Amazon, Huawei e até mesmo para os mais dispendiosos Apple iPad. Estes, mesmo assim, continuam a ser os mais procurados.

Tabela da IDC com os dados da Apple, Samsung, Huawei, etc

A IDC refere que os únicos tablets da Samsung a ter uma boa procura foi a sua linha de equipamentos híbridos. Os tablets 2 em 1 que utilizam o sistema operativo Windows para além do Android. Aqui temos incluídos os Galaxy Book.

Olhando para os valores da Apple, a tecnológica norte-americana venderia 13.2 milhões de iPads no último trimestre de 2017. Conseguiria uma quota de mercado de 26.6% e registou um pequeno crescimento anual de 0,6%. Nada mau para um mercado que está bastante parado.

A Huawei nesse mesmo período vendeu um total de 3.5 milhões de tablets com uma quota de mercado de 7,1% nesse trimestre. Também a fabricante chinesa, Huawei, consegui crescer. De 2016 para 2017 cresceriam 11,9% no mercado de tablets. Crescimento que seria apenas ultrapassado pela Amazon.

Opiniões?

Assuntos relevantes na 4gnews:

MIUI 10 chegará em primeiro lugar a estes equipamentos da Xiaomi

d Oreo 8.0

Via

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. É na tecnologia que encontrou o seu expoente máximo e na 4gnews a plataforma ideal para a redação e produção de vídeo.