Apple mais perto de lançar um iPhone com leitor biométrico no ecrã. Sabe porquê

Carlos Oliveira
Comentar

A Apple assegurou uma patente para uma tecnologia que coloca um sensor ótico no ecrã do smartphone. A ilustração desta patente não nos mostra um local específico para o efeito, o que nos indica que este sensor possa funcionar em toda a extensão do ecrã.

Não é a primeira vez que se fala na intenção da Apple em reavivar o Touch ID, mas agora embutido no ecrã do iPhone. No entanto, esta notícia mostra-nos que esse momento está mais próximo de acontecer.

Apple patente

Caso tal venha a verificar-se, a Apple irá resolver um dos males existentes com este tipo de autenticação biométrica. Em muitos casos os sensores funcionam em locais pequenos, o que por vezes dificulta leituras em condições.

Ao usar um sensor que cubra a totalidade do ecrã, basicamente poderias colocar o teu dedo em qualquer parte para acederes ao teu equipamento. Nada de fazer "ginástica" com o dedo só para ler a tua impressão digital.

Apple já trabalha num leitor biométrico no ecrã desde 2013

A Apple raramente se preocupa em ser a primeira a lançar novas tecnologias para o mercado. Ao invés, ela preocupa-se que as suas propostas sejam funcionais e seguras.

O seu leitor de impressões digitais poderá ser mais um desses casos, A empresa norte-americana passou os últimos seis anos a desenvolver essa tecnologia, enquanto muitas concorrentes já a colocaram no mercado.

Ainda não sabemos quando é que a Apple poderá lançar um iPhone com um sensor biométrico no ecrã. Mas a certeza é que não será a primeira, muito menos ao usar um leitor ótico.

Com a aprovação desta patente, esse marco está agora mais próximo. Muito se tem falado que o iPhone 12 possa revolucionar, uma vez mais, o mercado e veremos se não será o eleito para acolher esta nova tecnologia.

Editores 4gnews recomendam:

Comentar
Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.