Apple: iPhone SE (2022) é menos procurado que o esperado

Bruno Coelho
Comentar

No início deste mês de março, a Apple lançou o mais recente iPhone SE (2022). O smartphone recicla o design do iPhone 8, lançado em 2017, e é comandado pelo processador A15 Bionic dos iPhone 13.

A Apple esperaria que o smartphone tivesse bastante procura, dado o preço de 529 € em Portugal a que é vendido. Mas segundo o analista Ming-Chi Kuo, a procura pelo equipamento está abaixo do esperado.

iPhone SE pode registar envios entre os 15 e 20 milhões em 2022

O analista usou a rede social Twitter para afirmar que o recente lockdown de Xangai não afeta a produção do iPhone SE. No entanto, o seu estado de “em stock”, prova que a procura por este terminal é mais fraca do que se pensava.

Shanghai lockdown doesn't affect the iPhone SE production. However, the new iPhone SE demand is lower than expected (the delivery status "in stock" as one of the proofs), and I cut my shipment estimation in 2022 to 15-20M (vs. 25-30M previously).

— 郭明錤 (Ming-Chi Kuo) (@mingchikuo) 28 de março de 2022

Recorde-se que o analista apontava a sua estimativa de envios deste equipamento para números entre os 25 e os 30 milhões em 2022. Nesta publicação acaba por descer a sua estimativa para números entre os 15 e os 20 milhões.

O iPhone SE tem como maior destaque o processador A15 Bionic, que lhe confere suporte para as redes móveis 5G. Além disso, dá o salto dos 3 GB de RAM do seu antecessor, para os atuais 4 GB de RAM.

Tudo o resto se mantém praticamente inalterado. Tem o mesmo ecrã HD de 4,7 polegadas que já conhecemos, com margens superiores e inferiores pronunciadas. Isto permite que mantenha o Touch ID.

A procura por este terminal vai ao encontro daquela que se tem verificado nas versões mini do iPhone 12 e iPhone 13. A fraca autonomia é apontada como a possível fraca procura por estes equipamentos.

Editores 4gnews recomendam:

Bruno Coelho
Bruno Coelho
Vive entre a paixão pela escrita, a música e a tecnologia. Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior em 2015, e fez parte da equipa que fundou o Jornal de Belmonte. Produziu vários podcasts independentes pelo caminho. Come especificações ao pequeno-almoço.