android_things

Antes de qualquer desenvolvimento, convém frisar bem o que é de facto a Internet das Coisas. Esta é a tradução literal de Internet of Things, ou também conhecida como IoT, e basicamente consiste na conexão de dispositivos electrónicos que utilizamos no nosso dia-a-dia (electrodomésticos, carros, máquinas industriais, etc) à internet. E este é um nicho de mercado que tem vindo a crescer nos últimos anos com as mais variadas marcas a apostar em tornar os seus produtos “inteligentes”.

Vê também: Microsoft mostra-nos como será o seu concorrente ao Amazon Echo e Google Home

   

Embora não seja ainda um conceito bem enraizado no nosso quotidiano, a verdade é que ele está lá e portanto as empresas de software têm também que dar o suporte necessário às desenvolvedoras do hardware para que o mesmo funcione plenamente. A Google estava já presente na Internet das Coisas, com o seu Brillo, um SO que provavelmente muitos de vós já nem se recordava. Mas a partir de hoje, as coisas mudam de figura e a Google apresenta oficialmente o seu novo sistema operativo Android Things.

android_things2

Como o nome sugere, este Android Things é como que a migração do conhecido Android para o mundo da Internet das Coisas, além de ser um nome que mais facilmente perdurará nas nossas mentes. Com ele, a Google traz assim à Internet das Coisas alguns dos conhecidos recursos do Android, como os seus serviços e API´s.

Por enquanto, o Android Things está ainda em fase Developer Preview, logo os desenvolvedores podem já começar a criar os sues programas para esta plataforma com recursos bem familiares como o Android Studio. No futuro serão adicionados os recursos necessários para que o Android Things possa começar a receber as atualizações necessárias.

Neste segmento de mercado, a Google possuía já uma outra plataforma. Estou a falar do Weave, um serviço cloud que permitia uma melhor comunicação entre os vários dispositivos da Internet das Coisas. Esta plataforma só irá crescer no futuro com a sua integração no Android Things.


A Internet das Coisas tem vindo a crescer gradualmente nos últimos anos e no futuro, tal como se prevê neste momento, esta adoção só deverá crescer. Com a chegada do Android Things, o mesmo só vem encorajar aqueles que já desenvolvem aplicações para Android a fazerem as suas próprias apps para esta plataforma em crescimento.

Talvez queiras ver:

Lockheimer desmente a chegada do Andromeda e o Android é para continuar

Zuk Edge poderá ser apresentado no dia 20 de dezembro. Será desta?

Alcatel Idol 4S com Windows 10 chegará à Europa

 

Viagsmarena
Fontegoogle
O gosto por tecnologia foi algo que esteve sempre dentro de mim. Com o crescer do mercado dos smartphones, também o meu entusiasmo com os mesmos aumentou. Já nos tempos livres, as séries são o meu principal mata-tempo.