4 maiores erros de segurança nas redes sociais do Facebook ao TikTok

Rui Bacelar
Comentar

As redes sociais ocupam parte dos nossos dias, seja como fonte de informação, diversão ou entretenimento, certo é que, raros casos, não dispensamos a sua consulta diária. Todavia, são ainda comuns vários erros de comportamento que podem comprometer a nossa segurança online.

Entre estes podemos destacar a Partilha de Informação Pessoal, ou a Atenção aos pedidos não solicitados de redefinição de palavra-passe. Igualmente comuns são os maus hábitos em Clicar em links suspeitos, para além de Não verificar URL's ao clicar nos mesmos.

As redes sociais são indispensáveis, mas há cuidados a ter em 2022

Redes sociais

Atualmente mais de metade do mundo está nas redes sociais. À data de janeiro de 2022, são cerca de 4,62 mil milhões de pessoas que utilizam diariamente as redes sociais, às quais dedicam mais tempo do que muitas vezes desejariam.

Assim, se, por um lado, estas plataformas nos aproximam, por outro, representam também riscos acrescidos de cibersegurança. É por isso que importa alertar os utilizadores para as principais ameaças apresentadas nestas plataformas.

1. Partilha de informação pessoal nas rede sociais

Acontece diariamente nas redes sociais e pode ter consequências desastrosas. Acima de tudo, os ciberatacantes têm como alvo a nossa informação pessoal. Estando na sua posse, conseguem lançar múltiplas campanhas de phishing e até roubar dinheiro.

Portanto, se a isto adicionarmos o facto de que muitos utilizam as mesmas credenciais de acesso para várias plataformas, o risco agrava-se. Assim, além de não partilhar informação pessoal, é crucial definirmos palavra-passe únicas para cada plataforma.

2. Atenção aos pedidos não solicitados de redefinição de palavra-passe

É difícil acompanhar o número de contas que temos em todas as redes sociais. Por isso, não é assim tão difícil cairmos na armadilha de responder a um pedido deste tipo. O primeiro impulso ao receber um e-mail para redefinir a senha de acesso é clicar no link.

E é assim que os atacantes acedem à sua conta. Nestes casos, deve-se visitar diretamente a página da rede social em questão através de uma pesquisa no motor busca, renovando a palavra-passe lá diretamente. E depois fazer o mesmo para as restantes contas que tenham o mesmo acesso.

3. Clicar em links suspeitos no Facebook, WhatsApp ou Instagram

O link (ligação) é um dos principais meios para redirecionar os utilizadores para sites maliciosos. Estes links podem chegar através de uma simples mensagem ou SMS. Se receber um link deste tipo, o que deve fazer é visitar o site em questão através do browser habitual e verificar quaisquer mensagens que tenha, em vez de clicar diretamente no link de um e-mail ou SMS não solicitados.

4. Não verificar URLs em qualquer rede social

Por fim, outro dos truques que os ciberatacantes utilizam para roubar dados é alterar um URL para que se pareça com um endereço legítimo. Com efeito, usando esta técnica, os hackers conseguem fazer com que um utilizador visite um website que acreditam ser confiável. Isto é, como uma página de Facebook, por exemplo, mas que na realidade é clonado.

Esta tendência foi identificada recentemente no Brand Phishing Report da Check Point Software com o LinkedIn a constar em 52% de todos os ataques de phishing a nível global. Portanto, para evitar estes esquemas, é importante verificar os endereços a que se acede, procurando sempre pelo certificado de segurança SSL.

Este certificado é comprovado pelo “s” na barra de endereço: https://. Graças a esta tecnologia, qualquer informação confidencial enviada entre dois sistemas é protegida. Na prática, é isto que impede que os cibercriminosos possam aceder aos dados transferidos, incluindo informações que possam ser consideradas pessoais.

Editores 4gnews recomendam:

Rui Bacelar
Rui Bacelar
Na escrita e comunicação repousa o gosto, nas leis a formação. Ocupa-se com as novidades de tecnologia na 4gnews. Email: ruifbacelar@gmail.com