Xiaomi prepara-se para dar um dos maiores passos da sua história

Filipe Alves

A Xiaomi prepara-se para dar um dos maiores saltos da sua história e parece que desta é de vez. Falo obviamente na entrada no mercado mais competitivo do mundo. Mercado este que a Huawei se viu banida de entrar.

Os Estados Unidos da América são provavelmente o mercado mais apetecível do mundo. Ainda que não seja o mais populacional, (China e Índia ganham) o mercado americano marca tendências. Sem margem para dúvida o mercado mais influente do planeta.

Xiaomi prepara-se para entrar nos EUA

Depois de ter uma forte presença na China e dominar o mercado indiano, a Xiaomi acredita que o próximo mercado a atacar é o americano. A empresa asiática tem vindo a espalhar a sua magia pela Europa e o sucesso tem vindo a acompanhar.

A entrada nos EUA levaria a Xiaomi para outro patamar

De acordo com as informações, smartphones da Xiaomi foram aprovados pela FCC - entidade reguladora mobile do EUA - e podem perfeitamente estar a preparar a sua entrada de forma oficial.

Xiaomi logo

A empresa já tem um website nos Estados Unidos que vendem alguns dos seus produtos como a scooter elétrica ou a Mi TV. Porém, os smartphones são sem dúvida o seu mercado mais forte.

Ainda não há datas concretas sobre esta possível entrada. No ano passado a marca criou um evento em Nova Iorque para saber se o mercado estava receptivo e, aparentemente, o evento foi um sucesso.

Dessa forma, podemos imaginar que a marca asiática abrirá as portas ao mercado americano ainda em 2019. O mesmo ano que se espera que a Xiaomi abra uma loja física oficial em Portugal.

No nosso país a Xiaomi está a crescer mais lentamente. A possível abertura de loja física oficial, será um passo importante para o crescimento da marca.

Editores 4gnews recomendam:

Via

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.