Polícia olha para o Google Maps para apanhar suspeitos de crimes

Filipe Alves

O Google Maps é uma ferramenta fantástica, contudo, é uma das que mais diz sobre ti. Infelizmente não há forma de ter tudo sem dar nada. Ao viver no expoente da Era tecnológica, os produtos e serviços pedem cada vez mais informações sobre a tua vida. Principalmente os grátis. Afinal de contas, precisam de informações para fazer dinheiro.

O Google Maps é um dos serviços que mais nos dá mas que também mais nos pede. Se alguém olhar detalhadamente para o meu Google Maps sabe onde estive, os meus gostos, os meus locais preferidos e as minhas preferências.

Polícia olha para o google Maps de forma séria

Por isso é que este tipo de aplicações assusta muita gente. Ainda que tenhas de dar autorizações ao Google Maps e outras Apps para lhes dares a localização exata onde estás, a Google consegue à mesma ter uma ideia de triangulação de sinal por simples pesquisas.

A polícia está a olhar cada vez mais para o Google Maps

A polícia dos Estados Unidos e o FBI olham cada vez mais para este serviço como a ferramenta perfeita para prender suspeitos. De acordo com as informações, a Google fornece - mediante uma ordem judicial - as localizações de determinados utilizadores. Contudo, numa fase primária não oferece os dados concretos desses mesmos. Passo a explicar.

Por exemplo, se existe determinado crime num local a Google fornece as informações de todos os utilizadores que lá estavam mas sem os identificar. Uma segunda ordem judicial pode existir a solicitar os detalhes de determinada pessoa. Aí sim, a empresa de Mountain View oferece o "nome, email e outras informações associadas com o equipamento em questão"

De acordo com um funcionário da Google, a empresa de Mountain View recebe cerca de 180 pedidos todas as semanas. Contudo, não foi referido quantos destes pedidos é que a empresa americana responde de forma positiva.

Por sua vez, a Apple continua a recursar-se oferecer os dados dos seus utilizadores mesmo com ordem judicial. Sinceramente não sei qual o melhor. De um lado temos a segurança e eficácia em resolução de crimes. Do outro lado temos a violação de privacidade.

Editores 4gnews recomendam:

Filipe Alves
Filipe Alves
Fundador do projeto 4gnews e desde cedo apaixonado pela tecnologia. A trabalhar na área desde 2009 com passagens pela MEO, Fnac e CarphoneWarehouse (UK). Foi aí ganhou a experiência que necessitava para entender as necessidades tecnológicas dos utilizadores.