Construtoras chinesas continuam a roubar mercado à Apple na China

Carlos Oliveira

Um novo relatório providenciado pela agência Reuters atesta o quanto a Apple tem perdido terreno na China. De acordo com esses dados, a empresa de Cupertino viu a sua presença, naquele mercado, cair dos 81.2% para os 54.6% no segmento premium.

Desde já convém frisar que por segmento premium a fonte refere-se a smartphones na casa dos 500$ a 800$. Com efeito, uma das grandes beneficiadas com este cenário foi a Huawei. A líder do maior mercado do mundo viu a sua presença subir dos 8.8% para os 26.6% neste nicho.

Apple Tim Cook

Segundo o relatório, este cenário deve-se ao facto de os consumidores chineses não se sentirem impelidos a gastar mais de 1.000$ num smartphone. Assim, cria-se um certo vazio no segmento de até 800$ que está a ser prontamente aproveitado pelas construtoras chinesas.

Marcas como a Huawei estão a tirar proveito dos preços praticados pela Apple

Outra das justificações para este cenário prende-se com a falta de inovação presente nos iPhone. Segundo fontes da indústria, a presença de apenas duas câmaras nos smartphones da Apple, por exemplo, têm sido também responsáveis por esta queda.

Neste caso, temos marcas como a Huawei que voltam a ser capazes da aproveitar este sentimento dos seus consumidores caseiros. Por exemplo, os smartphones da empresa chinesa já chegam ao mercado com três câmaras e isso tem apelado aos compradores.

Apple iPhone

Não é segredo que os iPhone apresentados em finais de 2018 estão longe de ser um sucesso de vendas. Os números que hoje te damos a conhecer são apenas um reflexo desse cenário.

Nesse sentido, algo mais terá de ser feito da parte da empresa liderada por Tim Cook. Por forma a ter sucesso no mercado chinês a Apple terá de começar a praticar preços mais convidativos ou então conseguir acompanhar a concorrência em termos de funcionalidades.

Editores 4gnews recomendam:

Fonte | Via

Carlos Oliveira
Carlos Oliveira
Tendo já passado por várias casas, a 4gnews é aquela que me segura desde 2015. Com um desejo insaciável de me manter atualizado tecnologicamente, a partilha desse conhecimento é apenas o seguimento natural das coisas.